https://www.ijhmreview.org/ijhmreview/issue/feed International Journal of Health Management Review 2022-09-19T19:13:14-03:00 Altieres de Oliveira Silva publisher@alumniin.com Open Journal Systems <p>A revista <strong>International Journal of Health Management Review (</strong><strong>JHM Review) </strong>está inserida no meio científico diante de um momento de reflexão sobre os desafios da gestão dos sistemas de saúde no Brasil e no mundo, visto que, os recursos em saúde estão cada vez mais escassos, o que torna um desafio tanto para esfera pública como privada. Este periódico é editado pela <a href="https://alumniin.com/inicio/" target="_blank" rel="noopener"><strong>Editora ALUMNI IN</strong></a>.</p> <p><strong>e-ISSN: 2526-1606</strong> | Ano de criação: 2015 | Área do conhecimento: <strong>Interdisciplinar e áreas correlatas</strong>| <strong>Qualis: B3</strong> (2013-2016).</p> <p>As mudanças que aparecem nos ambientes político, social, cultural, ambiental, tecnológico e econômico nos diversos países, refletem na maneira de gerenciar os recursos de saúde, demandando soluções práticas, claras e objetivas no cotidiano dos administradores inseridos nos sistemas de saúde.</p> <p>Neste contexto, a <strong>IJHMReview</strong> pretende contribuir com pesquisas voltadas a essas questões práticas, trazendo o conhecimento e entendimento científico de como melhorar a gestão em saúde, favorecendo a qualidade da assistência, otimização de recursos em saúde e consequentemente melhora da qualidade de vida das populações. Logo, os temas de interesse são:</p> <p>• Gestão em Saúde na prática do administrador hospitalar: aspectos estratégicos, táticos e operacionais;</p> <p>• Organização formal e informal dos serviços de saúde: liderança, negociação, comunicação, cultura;</p> <p>• Desafios, tendências e aspectos estratégicos na gestão de sistemas de saúde;</p> <p>• Gestão da qualidade dos serviços de saúde;</p> <p>• Gestão de custos dos serviços de saúde;</p> <p>• Aspectos e tendências das Políticas Públicas de Saúde, Saúde da Mulher, Saúde do Homem, Doenças Sexualmente Transmissíveis, Vigilância Epidemiológica e Sanitária, dentre outras;</p> <p>• Empreendedorismo e inovação no setor de saúde;</p> <p>• Gestão tecnológica no setor de saúde;</p> <p>• Gestão de Operações em Saúde;</p> <p>• Sistemas de informação gerencial em saúde;</p> <p>• Sustentabilidade do Setor Saúde;</p> <p>• Gestão de Crises nos sistemas de saúde;</p> <p>• Logística operacional no setor saúde; </p> <p>Como uma publicação científica, a <strong>IJHMReview</strong> prioriza estudos científicos, tanto empíricos quanto teóricos e relatos técnicos (trabalhos de caráter prático/técnico), casos reais ocorridos nos serviços e sistemas de saúde.</p> <p>A <strong>IJHMReview</strong> publicará artigos nos idiomas português, inglês e espanhol.</p> <p>A submissão de artigos ocorre exclusivamente por meio desta plataforma eletrônica, sendo que tais trabalhos serão avaliados por pares no sistema blind review.</p> https://www.ijhmreview.org/ijhmreview/article/view/319 Concordância Na Classificação De Neer Da Fratura Proximal Do Úmero 2022-09-19T19:12:50-03:00 Francielly Teles Silva publisher@alumniin.com Luiz Carlos Bedin Filho publisher@alumniin.com Sávio Machado Torres publisher@alumniin.com Marcelo Wiltemburg Alves publisher@alumniin.com <p><strong>Introdução:</strong> As fraturas de úmero proximal são aproximadamente 4 a 5% de todas as fraturas, acometendo mais idosos do sexo feminino. Como método de tratamento, seja ele cirúrgico ou conservador, é preciso classificá-la para saber o prognóstico da fratura, para isso a utilização da classificação de Neer para úmero proximal, que é uma das mais utilizadas, baseia-se em partes fraturadas do úmero. Apesar de amplamente utilizada há dissociações de avalição e reprodutibilidade radiográfica, entre examinadores.</p> <p><strong>Objetivo:</strong> Avaliar a concordância inter e intraobservacional da classificação de Neer para fraturas da extremidade proximal do úmero em adultos.</p> <p><strong>Método:</strong> Foram selecionadas radiografias de 20 casos de fratura de úmero proximal, disponibilizadas para 35 examinadores (Ortopedistas, incluindo especialistas em cirurgia de Ombro e Cotovelo), que as classificaram de acordo com a classificação de Neer, em um período de 60 dias.</p> <p><strong>Resultados:</strong> Avaliando inicialmente os 35 avaliadores com diferentes níveis de experiência, em dois momentos diferentes, com comum intervalo de 60 dias entre uma avaliação e outra, a confiabilidade intravaliador, considerando a mediana, foi excelente 0,923 (IC 95% [0,610 - 1,237]), assim como a moda 0,925 (IC 95% [0,626 – 1,224]). Na avaliação dos 20 avaliadores com maior confiabilidade intravaliador (k&gt;0,5), a confiabilidade intravaliador, considerando a mediana entre os 20 avaliadores, foi excelente 0,923 (IC 95% [0,610 - 1,237]), assim como considerando a moda 0,855 (IC 95% [0,569 – 1,141]). Por fim, considerando os 20 avaliadores com maior confiabilidade intravaliador individual, a confiabilidade interavaliador na primeira avaliação (teste) foi leve 0,259 (IC 95% [0,239 – 0,280]), assim como na segunda avaliação (reteste) 0,289 (IC 95% [0,269 – 0,310]).</p> <p><strong>Conclusão:</strong> Este estudo evidencia que o sistema de Classificação proposto por Neer, seguindo o índice de Kappa, apresenta como resultado final uma categorização pobre de concordância, tanto intraobservacional quando interobservacional, das fraturas da extremidade proximal do úmero. Observou-se também uma confiabilidade menor (leve a desprezível) na analise interobservador. Desta forma, fica evidente a importância da utilização de outros sistemas de classificação e de métodos diagnósticos complementares, como tomografia computadorizada, para melhor avaliação e condução dos pacientes com fratura da extremidade proximal do úmero, objetivando a otimização do tratamento e reabilitação destes casos.</p> 2022-09-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://www.ijhmreview.org/ijhmreview/article/view/320 Fraturas De Fêmur Proximal: Incidência Antes E Durante A Pandemia De Covid-19 2022-09-19T19:12:47-03:00 Thiago Henrique Abrão Bertholini publisher@alumniin.com José Eduardo Sousa Prado publisher@alumniin.com Maurício Ferraz Moreira publisher@alumniin.com Daniel Novais Guedes publisher@alumniin.com <p><strong>Introdução:</strong> A fratura do fêmur proximal é uma causa comum e importante de mortalidade e perda funcional. A incidência deste tipo de fratura aumenta com a idade, devido principalmente ao aumento do número de quedas associado a uma maior prevalência de osteoporose. É mais comumente relacionada com idosos moradores nas áreas urbanas, de sexo feminino e institucionalizados. A fratura do fêmur proximal pode ser intracapsular ou extracapsular. No primeiro tipo estão as fraturas do colo femoral, e no segundo, as fraturas transtrocanterianas, sendo que ambas decorrem de traumas de baixa energia, como quedas. O tratamento da maioria destas fraturas é cirúrgico, visando a redução e fixação estável da fratura, utilizando os mais variados métodos de osteossíntese ou artroplastia, especialmente no caso de fraturas do colo femoral com desvio.</p> <p><strong>Objetivo:</strong> Avaliar a incidência de fraturas de fêmur proximal antes e durante a pandemia de COVID-19.</p> <p><strong>Método:</strong> Trata-se de um estudo retrospectivo, com revisão sistemática de dados referentes ao número de procedimentos cirúrgicos de fratura de fêmur proximal nos anos de 2019 a 2021, correspondendo ao período antes e durante a pandemia da COVID-19, e demonstrar sua incidência e necessidade de atendimento, em um hospital particular do interior do estado de São Paulo.</p> <p><strong>Resultados:</strong> No período de estudo foram realizados 1.203 procedimentos. Foi possível notar o aumento gradativo dos casos durante os anos de pandemia, e um alto índice de fraturas de fêmur proximal em mulheres, chegando em 2022 a uma diferença de 62% em relação ao sexo masculino. A taxa de mortalidade durante a internação hospitalar foi de 2,39% em 2019, 2,78% em 2021, e 2,83% em 2022. Os fatores correlacionados positivamente com a mortalidade, indicados com maior frequência, foram a idade avançada, presença de doenças associadas, deficiência cognitiva importante e sexo feminino.</p> <p><strong>Conclusão:</strong> A literatura recente, mesmo inserida no contexto de uma pandemia e de suas restrições, identificou quatro grandes fatores relacionados diretamente com a mortalidade nas fraturas do fêmur proximal do idoso, sendo eles a idade avançada do paciente, a presença de doenças associadas, o sexo feminino e a existência de deficiências cognitivas.</p> 2022-09-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://www.ijhmreview.org/ijhmreview/article/view/321 Percepção dos Pacientes Em Relação Aos Benefícios da Intervenção Coronariana Percutânea Na Doença Arterial Coronariana Estável 2022-09-19T19:12:43-03:00 Stefany Casarin Moura stecasarin@hotmail.com Murillo de Oliveira Antunes publisher@alumniin.com <p><strong>Introdução:</strong> A intervenção coronária percutânea (ICP) é um procedimento comum para aliviar a obstrução de uma artéria coronária estenótica. As crenças dos pacientes sobre a necessidade do procedimento e sua eficácia são moldadas pela interação com os médicos assistentes. Sendo assim, toda decisão envolvendo o procedimento deve ser tomada de maneira conjunta entre o paciente e o médico, e este deve ajudar o sujeito a compreender a probabilidade dos benefícios esperados e os riscos a serem enfrentados na intervenção, atuando como um parceiro experiente.</p> <p><strong>Objetivo:</strong> Avaliar a percepção dos pacientes referente aos benefícios e riscos da ICP baseando-se em informações dadas pelo médico assistente.</p> <p><strong>Método:</strong> Por meio de um estudo descritivo longitudinal realizado com pacientes diagnosticados com Insuficiência Coronariana internados no HUSF.</p> <p><strong>Resultados:</strong> Ao analisar os benefícios esperados, numa fração da amostra, por meio da realização da ICP, 26% dos pacientes gostariam de evitar o infarto agudo do miocárdio, 26% queriam diminuir sua possibilidade de morrer, 10% buscavam viver mais, 40% desejavam diminuir as dores no peito, 5% gostariam de tomar menos medicamentos, 25% desejavam diminuir a dispneia e 15% não sabiam responder. Todos os pacientes disseram que os riscos do procedimento não foram abordados na conversa, e apenas um paciente sabia informar possíveis riscos por conhecimento prévio.</p> <p><strong>Conclusão:</strong> Notou-se a existência de falhas na comunicação entre o médico e o paciente, evidenciada pela superestimação dos benefícios e subestimação dos riscos na realização da ICP.</p> 2022-09-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://www.ijhmreview.org/ijhmreview/article/view/322 Liga Acadêmica De Urgência E Emergência Pré-Hospitalar E De Pronto Atendimento (Lueppa) – Faculdade De Medicina De São Bernardo Do Campo :Relato De Experiência Da Gestão 2022-2023 2022-09-19T19:13:14-03:00 Giulia Veneziani Zogaib publisher@alumniin.com Maria Fernanda Marques Moncorvo publisher@alumniin.com Roberto Nogueira Santana publisher@alumniin.com Júlia Rugoni Perez publisher@alumniin.com Karoline Barbosa da Silva publisher@alumniin.com Beatriz Tesoni Marchiori publisher@alumniin.com Lethicia de Almeida Bigollo publisher@alumniin.com Maicon Ataide da Silva publisher@alumniin.com Renato Ribeiro Nogueira Ferraz publisher@alumniin.com Renato de Lima Rozenowicz publisher@alumniin.com <p>O objetivo do presente estudo foi relatar a experiência da Liga Acadêmica de Urgência e Emergência Pré-Hospitalar e de Pronto Atendimento (LUEPPA) da Faculdade de Medicina Nove de Julho - Unidade São Bernardo do Campo - SP. As aulas ocorreram durante o primeiro semestre do ano de 2022, e foram ministradas por profissionais, em sua maioria médicos, que atuam em áreas específicas relacionadas a cada uma das palestras. A maior parte dos encontros ocorreu semanalmente, via <em>Google meet,</em> no período noturno. A montagem das aulas ficou a critério de cada palestrante, assim como a condução da apresentação, que variou desde a aula expositiva até a preleção dialogada, incentivando a participação dos presentes. Ao final das apresentações as dúvidas foram sanadas pelos palestrantes, criando um ambiente de interação entre os presentes. Como conclusão, entende-se que o trabalho das Ligas Acadêmicas deve ser incentivado pelas Faculdades e Universidades, não somente no curso de Medicina, mas também em outros cursos universitários, visto se tratar de um ambiente de aprendizado bastante produtivo.</p> 2022-09-19T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022